Blog de thonigomes


UM BOM TEXTO A EXPLICAR OS ATUAIS ACONTECIMENTOS NA TUNÍSIA, EGITO......

O 'Bin Laden' da marginalidade - Opinião - Al Jazeera Inglês
----------------------------------------------------------------------------------

O texto abaixo foi tirado do site "Al Jazeera"

http://antoniosempredidata.blogspot.com/

OS “BIN LADEN” DA MARGINALIZAÇÃO
14/01/11
A sabedoria popular diz que 'terror' no mundo árabe é monopolizada pela al-Qaeda emsuasváriasencarnações. Pode haver alguma verdade nisso.

No entanto, este é um ponto de vista limitado. Regimes em países como a Tunísia e Argélia insistem em armar e treinar aparatos de segurança para combater a Osama bin Laden. Mas elesforam pegos de surpresa pelos 'bin Laden dentro ": O terror de marginalização de milhões de jovens educados que compõem uma grande parcela da população da região. ( Segundo umaprofessora tunisiana, perto de 30% dos jovens universitários não possuem empregos).
Os ventos soprando incerteza, ao Oeste, Árabe - o Magrebe - ameaçam explodir o Leste na direção do Levante com a questão dos marginalizados e o grito de desespero de ser dado pela liberdade, contra o fatalismo do pão ou morte.

O TERROR DE QUEM?

Os gurus da chamada "radicalização" que transformaram o Islã em um problema de segurança que fixa o debate, fazendo com Bin Laden uma patologia atemporal, seja o único e permanente de todas as coisas no muçulmano.

Não é exagero afirmar que desde 11/09/01 vozes da radicalização substituíram o orientalismo novo como o prisma através do qual aparelhos de segurança ocidentais vêem a juventude do Médio Oriente e as sociedades. Baía de Guantánamo, perfis, rendições extraordinárias, entre outros, são apenas a ponta do iceberg.

O policiamento, equipamento, financiamento, competências e filosofia anti-terror a serem alimentados com os gostos da Argélia, Líbia e Marrocos são voltadas para a luta contra o "barbudo, salafista radical", cujo profeta é Osama Bin Laden. Mas, os “Bin Laden” tangíveis, horta e suicídio em sua totalidade, surgiram a partir das fileiras da classe média educada cujo profeta é Adam Smith.

Al-Qaeda, literalmente "a base", pode ser hoje os exércitos inchados de marginais no Oriente Médio, e não "salafistas".

Não é o Alcorão ou Sayyid Qutb - que é à revelia acusado de perpetrar 11/09, apesar de ser morta desde 1966 - os especialistas em segurança ocidentais deveriam se preocupar. Aflitos por definições, eles talvez devessem comprar Das Kapital e lerem mais Karl Marx, para obter uma verificação da realidade, um repensar, uma dose de sobriedade em um mundo post-9/11..

Desde a Tunísia a Argélia no Magrebe para a Jordânia e o Egito, a leste árabe, o verdadeiro terror que come na auto-estima da comunidade, nas sabotagens e ritos de passagem comum, incluindo o casamento, é o terror de marginalização sócio-econômica. (!)

Os exércitos de 'khobzistes "(os desempregados do Magrebe) - agora marchando para o pão nas ruas e favelas de Argel e Kasserine e que amanhã pode estar em Amã, Rabat, San'aa, Ramallah, Cairo e sul de Beirute - não são de combater o terror do desemprego com ideologia. Eles não precisam de uma. O desemprego é a sua ideologia. A periferia é a sua geografia. E por agora, os protestos pacíficos espontâneos e automutilação são seus armamentos. Eles são "Os Miseráveis" do mundo moderno.

O "PÃO" COMPACTADO

Os compactos “pão” que moldou a ordem política em grande parte do mundo árabe foi eliminada em meados da década de 1980.

Na década de 1960, os regimes se comprometiam com a distribuição de “pão” (bens subsidiados) em troca de passividade política. Em 1980, a nova correção política passou a dar o voto, em vez de pão.

Quem pode esquecer a 1988 revoltas do “pão” que eventualmente levou os islamitas à beira de um controlo parlamentar da Argélia em 1991? Os motins na Jordânia em torno do mesmo tempo levou o Estado à liberalização política em 1989.

Para a Tunísia, Argélia, Jordânia e Egito, os estados árabes pobres, que precisam de liquidez euro-americana e à Miséria Internacional de ajuda do Fundo, infitah (política de porta aberta) foi o único projeto de gestão à frente da economia. Em seu seio são geradas a ganância, grilagem de terras, corrupção, monopólio e as novas classes empresariais que trocam de fidelidade e clientelismo político com os mestres, bem como as notas e as concessões com as quais ambos os estilos de “vida flash” tem ao fundo.

Assim, o mapa de distribuição foi gerrymandered à custa de os pobres que são aplacados com número insuficiente de micro-créditos ou mal geridos os fundos de desenvolvimento nacional. As migalhas a que os subsídios são permitidas pela nova ordem econômica construída sobre os pilares da privatização, a ausência de redes de segurança social e protecionismo econômico provenientes do atraso, nunca são eliminados..
Abaixo da superfície a raiva reprimida dos marginais cozinha em fogo brando.

"É A TEMPORADA DA INTIFADA DO PÃO"

O 'khobzistes têm retornado. Em casa, eles são os marginais, no exterior, eles são amplamente persona non grata por ter nascido na geografia errada, herdando os gens perfeito para a profilaxia; visão culturalmente muito contestada por alguns assimilacionistas Europeus. O valor deles é acrescentado apenas como objetos de "dumping" social em lojas do capitalismo que lhes sugam o suor.
Potencialmente, eles são as forragens de caos na ausência de justiça social, culturalmente sensíveis, desenvolvimento sustentável e democrático de redes de mediação e cívicos canais de negociação sócio-político e inclusão.

Revoltas do “pão” tem uma vantagem e uma desvantagem. No lado positivo, eles agem como eleições, plebiscitos sobre o desempenho, como a catalisação da raiva do público, que emitem sentenças sobre políticas fracassadas e enviam mensagens de stress para os governantes.
A resposta vem rápida: quando a opressão inicial se torna demasiado pesada e de alto custo político, as negóciações começam. Promessas de empregos e políticas renovadas são feitas, a inversão de aumentos nos preços dos alimentos e até mesmo um bode expiatório na forma de demissões ministeriais.

Este é o lugar onde a Argélia e Tunísia estão hoje.

Na Tunísia, em particular, o governo tem sido desajeitado, nervoso e totalmente fora de linha por ameaçar o uso da força e, em seguida, empregando-o. Fatalidades têm vindo a aumentar. O número de mortos é muito pesado e pode já ter produzido o lógico ponto de inflexão, irreversível.

PECHINCHAS, MAS NÃO HÁ DEMOCRACIA

Do lado negativo, não há 'primavera democrática "na Argélia. “Pão”, tumultos vêm e vão. Mas os regimes ficam.

A ausência de uma massa crítica que produz um meio ponto da inflexão dinâmica aos regimes de saberem como comprar o tempo, cooptar e financiar-se fora de perigo quando empurrado. Pechinchas democráticas genuínas não resolvem. Os Estados não investiram em capital social e político.

Oposições e dissidentes ainda não aprenderam a se infiltrarem nos governos a construir uma forte identidade política e bases de poder. Esta é uma razão pela qual os protestos que produziu "revoluções de veludo" em outra parte parecem estar ausentes no mundo árabe.

A dinâmica criada pelos revoltosos do “pão” nunca é traduzida em auto-sustentável massa crítica por parte das forças de oposição. Regimes que esperam até o último minuto após o uso da força falham ao tentarem matar a dinâmica através da oferta de bem-estar em concessões momentâneas.

A Tunísia será a primeira exceção árabe a isto: Ben Ali não está em posição de agir maquiavélico e intransigente. Ele é fraco, e os seguintes do partido e do Exército que o protegeu durante 24 anos podem lhe retirar a lealdade em face da crise que se aprofunda.

O "PESCADOR DE HOMENS"

Os cintos de miséria apertando os bolsões de riqueza e oportunidade de Argel para Amã, na dica do microcosmo da desigualdade da distribuição global.
Assim como Sidi Bouzid, El Kobba, Ma'an ou Imbaba funcionam internamente naquele cinturão de miséria, assim como as cidades de estados árabes no mundo. Elas são da periferia, literalmente, os cintos de miséria apertando a rica "Europa fortaleza" - uma Europa que é cada vez mais interessados na tecnologia de segurança, sistemas de vigilância, "radicalização" teorias, o policiamento e as redes de funcionamento mental como "pescadores de homens ' de acordo com um estudo. Hoje a geografia da Club Med está no modo de rebelião.

Frontex é a agência da UE, que lidera a missão de construir a Europa fortaleza. Ele está na frente, lutando contra o "boat people" (povo de bote)que ameaçam a vida e o conforto da UE. Seus aviões, fragatas, patrulhas de homens, literalmente, peixes dos barcos pequenos carregados com árabes e Africano, carga humana destinada a costa da UE.
Esses facínoras do tempo no alto mar, sabendo que suas chances de sobrevivência não é mais do que 10 por cento. Muitos se afogam. Tunisino Mohamed Bouazizi em seu ato de insanidade não foi o único suicída. O 'harraqa ", como" boat people "do Norte Africano são chamados, procuram êxodo em segredo, e pela morte.

Aqueles que não se afogam são perseguidos de volta às suas margens de partida. Alguns são capturados e devolvidos aos países de transição, como a Líbia.

Um acordo da UE para 2009 atribui patrulha marítima e de policiamento para a Líbia para que as pessoas do barco não alcançam os portos italianos, rejeitando as implicações éticas de confiar a proteção dos refugiados aos países com registros duvidosos dos direitos humanos.

De Israel à Espanha, as cercas são erguidas para manter os não-europeus para fora. Eles são autorizados a sonhar com a Europa ... mas não de pôr os pés nela.

Chegou o momento para os mercados de trabalho do Golfo Pérsico fazerem mais pelos marginais árabes.

A "GEOGRAFIA DA FOME"

Em Frantz Fanon “Os Condenados da Terra “se encontra ressonância com a miséria engolindo a Tunísia e a Argélia de hoje, onde os pobres, ou o mahrumin e o khobzistes atacar no estado de destino e seus símbolos. Eles lutam para trás e, assim, “a luta ... com o ego humilhado, suas barrigas encolhidas são o contorno da geografia da fome".

Nesta geografia da fome e da marginalização, o nativo torna-se dominante do colonizador novo. Em contraste com os pobres, os indígenas no poder e as "máfias" econômicas são protegidas, não só em mansões e casas de campo, mas também dentro de "uma casca dura" que os imune da pobreza "que os cercam.
Em Os Condenados da Terra, lê-se sobre os "países pobres e subdesenvolvidos, onde a regra é que a maior riqueza está rodeado pela maior pobreza".
O mapa da "geografia da fome" não é completo sem marcação da geografia do autoritarismo. Em ambos Argélia e Tunísia, os grandes interesses e aproveitadores que apoiam Bouteflika e Ben Ali parecem cumprir a profecia de Fanon sobre a corrupção: "Mais cedo ou mais tarde" tornando líderes "homens de palha nas mãos do exército ... imobilizar e aterrorizar". É a forças de segurança e o exército que comandam o show nos dois países.

Fanon, o ideólogo da revolução argelina, está provavelmente se revirando no túmulo ao pensar que um país, de "um milhão de mártires" que se sacrificaram pela independência, está hoje lutando por novas liberdades com a escassez de habitação, o aumento dos preços dos alimentos, a autocracia e a marginalização total.

Os números sobre a construção de histórias de papel de crescimento e estabilidade, que não corresponde com a realidade de marginalização.
Por quanto tempo repúblicas de papel e de homens de palha pode resistir ao inferno de fogo das erupções argelinas e tunisianas alimentada pela marginalização continua a ser visto. O que é certo, porém, é que o início de uma "primavera democrática tunisiana" está na forja.
--------------------------------------------------------------------

Larbi Sadiki é um professor de Política do Oriente Médio na Universidade de Exeter, e autor de árabes Democratização: Eleições sem Democracia (Oxford University Press, 2009) e A Busca por árabes Democracia: Discursos e Contra-discursos (Columbia University Press, 2004 ), o Hamas próxima e do processo político (2011).
As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a política editorial da Al Jazeera.
------------------------------------------------------------------

A Tunísia, segundo consta, não é um país "xiita" e sim "sunita", logo mais moderado e pró democracia.
Porém, foi dominado por uma "familiocracia" que concentrou brutalmente a economia do país nas mãos de poucos.
Não podia durar muito tempo.



Escrito por bandoleiro do pensamento às 12h32
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu perfil


BRASIL, Sudeste, SÃO PAULO, CENTRO, Homem, de 56 a 65 anos, Portuguese, Spanish, Bebidas e vinhos, Informática e Internet, livros, imprensa, cultura de boteco
MSN -



Histórico


    Votação
    Dê uma nota para
    meu blog



    Outros sites
     UOL - O melhor conteúdo
     BOL - E-mail grátis
     PUBLICO.CLIX.PT
     INDEKS.PT
     REPUBLICADEFIUME.BLOGSPOT.COM
     SAPO.PT
     PRAVDA.RU
     AGENCIA CARTA MAIOR
     ALAINET.ORG
     CARNAVALESCOS BACANAIS
     ZÉ DIRCEU
     CIDADANIA.COM
     O JUMENTO
     CLICKPORTUGAL
     BLOG DO JULIO GARCIA
     BLOG DA FOLHA PATUENSE
     BLO DA LÚCIA 1221
     VERSO E PROSA
      FALAS DE UM BRASILEIRO
     TEXTO & IMAGEM
     PÉ NA ÁFRICA
      TEMPO PRESENTE
     FUNDAÇÃO JOSÉ SARAMAGO
     TK FREIRE - MEU JARDIM
     SKYROCK
     THE BRAGANZA MOTHERS
     BLOG DE MÃE E PROFESSORA-EMBÚ
     TWINGLY
     MY GOODLIFE
     LES CANARDS LIBERTAIRES
     BLOG DO MANGABEIRA
      O CASTENDO
     TIMOR
     SINDICATO DOS ESCRITORES BARATOS
     NOTÍCIAS LUSÓFONAS
     GUINÉ BISSAU
     ZÉ DO QUIABO
     PEPETELA
     BLOG DE UM SEM-MÍDIA
     BLOG DO JÚLIO GARCIA
     GUERRILHEIROS VIRTU@IS
     MARIDOSERVICE.COM
     BLOG DO SAKAMOTO